Robert Owen e New Lanark


New Lanark
"Contudo, a estética não nos serve mais para conseguir a graça dos deuses": é um componente menos mágico da nossa existência.
Mas, se pensarmos bem, ainda hoje delegamos uma grande parte da nossa felicidade à arte: quando desejamos nos sentir bem, nos divertir, vamos ao cinema, ao teatro, a um museu, ou vamos admirar uma bela paisagem.
Foi a sociedade industrial que isolou o belo, expulsando-o do mundo do trabalho: são pouquíssimos os empresários que deram valor à estética. Um exemplo raro é o de Robert Owen, que, no início do século XIX, construiu uma esplêndida fiação, New Lanark, na Escócia. Eu a visitei: é enorme, é quase uma cidade. Ali se encontram a casa da inteligência e a casa dos sentimentos: até mesmo a topografia foi planejada de modo a que, desde criança, o ser humano pudesse habituar-se a se tornar um ser pensante."

Domenico De Masi 
O ócio Criativo. Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2000, p.30
voltar

Nenhum comentário:

Postar um comentário