A academia confundiu o magnetismo animal com o magnetismo mineral

"...minha carta explicativa de 5 de janeiro de 1775 foi comunicada à maior parte das Academias de ciências, e a alguns sábios. Entre todas, apenas a Academia de Berlim, a 24 de março desse ano, deu uma resposta por escrito, pela qual, confundindo as propriedades do magnetismo animal que eu anunciava com aquelas do imã, do qual eu falava apenas como condutor, ela caiu em diferentes erros. E sua opinião era a de que eu estava iludido. 
Essa academia não apenas caiu no erro de confundir o magnetismo animal com o mineral, apesar de sempre eu ter me dedicado em meus estudos a estabelecer que o emprego do imã, apesar de útil, era sempre imperfeito sem o apoio da teoria do magnetismo animal. Os físicos e médicos com os quais estive me correspondendo, ou que buscaram se intrometer para usurpar esta descoberta, pretenderam e presumiram divulgar, uns que o imã era o único agente que eu empregava, os outros que eu utilizava a eletricidade. E assim por diante, por que sabiam que eu havia feito uso desses dois meios. A maior parte deles se desiludiu com sua própria experiência. Mas em lugar de reconhecer a verdade que eu anunciava, concluíram que,  como não obtinham sucesso com o uso desses dois agentes, as curas anunciadas por mim eram suposições. E que minha teoria era ilusória. O desejo de me descartar para sempre de semelhantes erros, e de trazer à luz  a verdade, determinaram-me a não mais fazer uso da eletricidade  nem do imã após 1776."
Mesmer 

Nenhum comentário:

Postar um comentário